domingo, fevereiro 20, 2011

Que se foda amor, que se foda

Um paraíso infame de devaneios
Criado por garrafinhas verdes
Na porta de um bar
Sozinho
Jovem, alcoólatra e com tendências suicidas.
Por que tudo isso? Pergunta uma voz de fora, somente ignoro.
Eu escolhi estar aqui
Eu sentei nessa cadeira
Eu comprei essas cervejas
Não quero falar dos meus problemas com o garçom como um típico bêbado
Eu só quero fugir, parado e em silencio.
Gole a gole tentando fugir
Fugir de tudo aquilo que eu mesmo criei.

sábado, fevereiro 12, 2011

Reconheço essa voz, o abismo me chama

Olhe para mim e veja,
Veja o que me tornei
Tentando buscar a verdade.
Como você mesma falou, eu perdi meu coração
Fumando um cigarro atrás do outro tentando sentir a morte de perto,
Cortando os pulsos para ver se da certo.
Tudo isso que você constrói nesse seu mundinho
Eu acho uma grande merda
Hoje eu só quero me trancar no meu quarto
Beber meu vinho barato
Ler o meu Bukowski
E fumar os meus cigarros.
Estou mais irritante do que você em dias de TPM.
Não peço que compreenda
Só que se afaste,
Só hoje,
Querida.
Desde então ela nunca mais voltou.