quarta-feira, março 30, 2011

A lebre e a rancorosa tartaruga

 Certo dia, a lebre desafiou a tartaruga para uma corrida, argumentando que era mais rápida e que a tartaruga nunca a venceria. A tartaruga começou a treinar enquanto era observada pela lebre.
Chegou o dia da corrida. A lebre e a tartaruga posicionaram-se e, após o sinal, partiram. A tartaruga estava correndo o mais rapidamente que conseguia, mas foi ultrapassada pela lebre que, visto já estar a uma longa distância da sua concorrente, se deitou ao pé de uma árvore e dormiu.
Enquanto a lebre dormia, não se dava conta que a tartaruga se ia aproximando mais rapidamente da linha de chegada. Quando acordou, a lebre, horrorizada, viu que a tartaruga estava muito perto da linha de chegada. Assim, a lebre começou a correr o mais depressa que pode, tentando a todo o custo ultrapassar a tartaruga. Não conseguiu.
Após a vitória da tartaruga, todos foram festejar com ela. Mesmo muito feliz pela vitória a tartaruga muito rancorosa com todo o bullying que sofreu na vida pegou um revólver que ficava escondido na gaveta de seu pai e durante a madrugada saiu pela janela direção a casa da lebre, foram três disparos e uma lebre morta. A tartaruga nunca havia se sentido tão bem.

domingo, fevereiro 20, 2011

Que se foda amor, que se foda

Um paraíso infame de devaneios
Criado por garrafinhas verdes
Na porta de um bar
Sozinho
Jovem, alcoólatra e com tendências suicidas.
Por que tudo isso? Pergunta uma voz de fora, somente ignoro.
Eu escolhi estar aqui
Eu sentei nessa cadeira
Eu comprei essas cervejas
Não quero falar dos meus problemas com o garçom como um típico bêbado
Eu só quero fugir, parado e em silencio.
Gole a gole tentando fugir
Fugir de tudo aquilo que eu mesmo criei.

sábado, fevereiro 12, 2011

Reconheço essa voz, o abismo me chama

Olhe para mim e veja,
Veja o que me tornei
Tentando buscar a verdade.
Como você mesma falou, eu perdi meu coração
Fumando um cigarro atrás do outro tentando sentir a morte de perto,
Cortando os pulsos para ver se da certo.
Tudo isso que você constrói nesse seu mundinho
Eu acho uma grande merda
Hoje eu só quero me trancar no meu quarto
Beber meu vinho barato
Ler o meu Bukowski
E fumar os meus cigarros.
Estou mais irritante do que você em dias de TPM.
Não peço que compreenda
Só que se afaste,
Só hoje,
Querida.
Desde então ela nunca mais voltou.

sábado, janeiro 29, 2011

O controle remoto nos deixou preguiçosos

Mova-se,
O mundo não espera por ninguém,
Mova-se,
A vida não tem piedade.
Mova-se,
Todos estão prontos para lhe passar a rasteira,
Mova-se,
Nessa selva de pedra, o mais fraco é pisoteado.  O mais forte é aquele que destrói mais crânios.
Não fique estirado na linha do trem esperando para ser esmagado.
Mova-se,
Ainda existe tempo de abrir os olhos,
De descartar as outras opções fajutas impostas e simplesmente se mover.
Mesmo que seja sem destino, mova-se!
Uma presa que se move é mais difícil de ser capturada.
Não estagnar.
Somente se mova.

sexta-feira, janeiro 21, 2011

Não, não vou seguir sua luz

Vejo você vivendo em fuga
Tentado escapar de seus pesadelos,
Ajoelhando-se para deuses e religiões
Buscando soluções impossíveis
Para todos os seus problemas.
Abraçar um ser inexistente
Não me parece ser a solução.
Talvez tentar lutar,
Talvez desacreditar no livro “divino” que você nunca leu até o fim
E acreditar em si próprio
Seja a solução que você busca e sempre buscou.
Por todos esses anos
Você foi um pote vazio
Deixando qualquer religião te encher de lixo.
Vai esperar Jesus voltar para esfregar barro com saliva em seus olhos?
Vai esperar eternamente para enxergar novamente?

-

sexta-feira, janeiro 14, 2011

Crescer?

Sem senso
Sem lirismo
O importante hoje é derramar sangue
Pisotear a todos e fazer uma escada de defuntos
Pra chegar ao ponto mais alto
Ao ponto mais alto de lugar nenhum
O amor virou produto
Todos os dias tentam esmagar a integridade
Mas ela não pode ser destruída, não pode ser esmagada.
Ainda estou aqui
Resistindo.

sexta-feira, janeiro 07, 2011

O que são dias ruins? (Índice, download e afins)


1/6 - Boa noite
6/6 - Pressão

Alguns dias fora de casa e um bombardeio de ócio. Eu não gosto de praia, mas mesmo assim me submeti a ir ao podre litoral Paulista com a família. Bem, esta ai o resultado. Minha mente cuspiu um conto. Esse é o primeiro, e espero que venham muitos outros. Por que não compartilhar?
Podem haver erros de português, de concordância e afins, mas fazer o que né?
Aberto a criticas construtivas.
Se quiser fazer o download do conto completo em (.pdf) clique aqui!

O que são dias ruins? [6/6]



Empurrei todos que estavam em minha frente sem pedir licença, queria saber o que era e estava com um mau pressentimento.
–LAUREN. Gritei.
O bombeiro chegou até mim: – Você a conhecia?
–Sim, é claro. Ela estava morando comigo, eu havia acabado de pedi-la em casamento. Por que Lauren? Por quê?
–Fique calmo filho!
–CALMO? A única mulher que me deu bola nessa vida tá estirada no chão e você me pede calma? Ela está viva?
–Infelizmente não.
Fiquei sem forças para me aguentar de pé, cai de joelhos no chão, olhava para o céu e perguntava: Por que, Por quê?
Os bombeiros a levaram para o IML e ligaram pra família (não sei como conseguiram os telefones da família dela).
Ainda não acreditando subi para meu apartamento. Olhei tudo completamente arrumado (ela era boba, deve ter arrumado como uma forma de pagamento por tê-la acolhido). Fui até a janela, olhei pra baixo. Lembrei-me do sorriso dela e comecei a chorar.
Muitas coisas vieram a minha cabeça (ela se foi e eu não descobri o que era naquela tatuagem).  Não conseguia fazer nada, não queria fazer nada. Eu só queria beijar Lauren novamente.
Vasculhei a casa, ela não deixou uma carta de suicídio. Alias, será que foi um suicídio?
Lucas apareceu no meu apartamento, estava meio que aturdido e com as dobras dos braços roxas e furadas. Agora eu sabia a droga que ele usava.
– Ai babaca qual é seu nome mesmo? É Enzo né?
– O que você quer?
– VOCÊ MATOU A LAUREN!
– Eu? Cara, eu tinha acabo de pedir ela em casamento.
Ele segurava um papel. Será que era a carta que eu procurava?
Lauren era previsível e sabia que eu não gostava de mistérios e ansiedade, mesmo numa situação dessa ela deixaria uma explicação.
– Desgraçado, tá vendo esse papel na minha mão?
Ele atirou o papel na minha mesa de centro e saiu do meu apartamento tirando uma seringa do bolso.
“CASAR? Eu não estava pronta, não quis tentar. Você foi um anjo e não merecia ouvir não sair de minha boca, boca que sorriu pra você, boca que te beijou... Fazia uma semana, e eu não tinha pra onde ir. Estava confusa e traumatizada. Foi tudo muito rápido. Eu não sabia se te amava, não sei realmente o porquê de tudo isso. Desculpe-me por tudo”.
Aquela carta não me disse nada, não tinha motivos explícitos pra se pular da janela de um prédio.
Eu li e reli a carta, varias vezes. Não fazia sentido, era mais simples só dizer não.
A janela estava aberta, olhei no relógio, 00h01min. Já era segunda-feira.
Fui me aproximando para ver a altura da queda que levou minha amada, e num surto de desespero simplesmente saltei. Fui sem descobrir que tatuagem era aquela que começava não sei a onde e terminava só no pescoço.

FIM

O que são dias ruins? [5/6]



Os dias passaram rapidamente ao lado de Lauren, foi como um conto de fadas o qualquer coisa do tipo. Foi magico e inacreditável. Era domingo novamente, fazia uma semana que ela estava lá.
– Bom dia, linda.
Ela não respondeu. Somente se espreguiçou de forma graciosa sorrindo.
Fui escovar meus dentes, preparar um café...
Voltei no quarto depois de alguns minutos, Lauren estava olhando pela janela.
– Já é domingo, ou seja, já faz uma semana. Amanhã volto a trabalhar e tenho que procurar um lugar pra ficar. Chega de ficar te amolando.
– Eu já te falei, pode ficar quanto tempo quiser...
– É eu sei. Mas não quero que pareça que só estou com você por que preciso de um lugar pra ficar.
– Olhe Lauren, foda-se o que os outros irão dizer e pensar. Se quiser fique, ficarei feliz.
– Você é meu anjo.
– Vamos tomar o café antes que esfrie.
Na cozinha ela serviu o café pra gente, ela insistia de me provocar, usava blusas decotadas e ficava se exibindo. Eu adorava.
Depois do café falei: – Ah, não quero ficar em casa hoje. Vamos sair? Cinema, teatro... Sei lá.
– Enzo, eu fiz um curso de fotografia e tenho uma câmera até que legal, sei lá, vamos passear no Ibira (parque do Ibirapuera), tomar um ar registrar momentos e paisagens.
– Adorei a ideia, vou me ajeitar e já vamos.
– Farei o mesmo.
Nós pegamos a câmera e descemos pelas escadas, eu não gostava de elevador. Tinha medo (era segredo).
Achei que íamos de ônibus, mas ela falou: - Ei, aonde você vai? Meu carro tá no estacionamento.
Ela tinha um carro e sabia dirigir, duas coisas sobre ela quais eu não sabia.
– Ah, legal, vamos de carro.
Percurso não muito longe do meu apê pro Ibira, em uns 20 minutos já estávamos lá.
Estacionamos, e fomos andar.
O dia estava bonito. Céu azul, poucas nuvens e o sol radiante.
Ela ficava perambulando de um lado para o outro fotografando e sorrindo para mim, eu a seguia e correspondia a todos os risos.
Sentamos em baixo de uma árvore para que ela me mostrasse às fotos.
Passa uma, passa outra... Um beijo.
Estávamos suados.
– Sabe Enzo, eu fiquei seis meses com o Lucas e não consegui dizer “eu te amo” se quer uma vez. Apesar de tudo que te falei, nunca tive coragem.
Eu não queria falar sobre aquele babaca, então a beijei.
– Eu te amo. Ela falou.
Não respondi com palavras, às vezes gestos falam mais alto.
– Lauren, quer casar comigo?
Ela arregalou os olhos, olhou para os lados...
– Você é louco? Está avançado rápido demais.
– Sim ou não?
Eu estava a pressionando, sabia que podia estragar tudo com isso.
Vamos voltar pro seu apartamento, à gente conversa no caminho.
Ela veio a 120 km/h em locais em que a velocidade máxima permitida era de 90 km/h, dava pra ver o nervosismo nos olhos dela. Casar? Era uma loucura, ela me conhecia a uma semana e tinha medo de se ferir no amor, novamente. O foda é que eu sabia de tudo isso e mesmo assim tentei.
Chegamos... Subimos as escadas rapidamente.
–Enzo, casar?
–Sim ué? Por que não? Eu te amo e você me ama, é o que as pessoas que se amam fazem, se casam.
–Cara, você é louco.
–Se você chama amor de loucura, sim sou louco.
Ela não sabia se sorria ou chorava. Queria dizer sim e ao mesmo tempo não, estava certa de que eu era um anjo e ao mesmo tempo errada sobre tudo, confusa. Pediu um tempo.
–Ok, você tem seu tempo. Quanto tempo for preciso.
Já eram 19h47min, muita coisa tinha acontecido. Ela estava deitada no sofá a umas duas ou três horas, eu estava no quarto deitado com o fone no ouvido.
Saltei da cama e fui até a sala.
–Lauren, tô saindo. Vou dar uma volta, respirar.
Eu a beijei na testa e sai, ela não correspondeu com um sorriso como costumava fazer. Ignorei, ela estava nervosa. Simplesmente desci as escadas.
Dei a volta no quarteirão. Duas vezes.
Chegando a porta do prédio vi um tumulto, carro de ambulância, a mídia e os curiosos. Eu fui ver o que estava acontecendo, alias, era na minha porta.

O que são dias ruins? [4/6]


Amanheceu o dia, Lauren acordou assustada e correu até o sofá, me viu lá, já acordado e sentado com o controle da TV em mãos passando de canal.
– Bom dia, Branca de neve eu exclamei brincando.
– Por que você não me acordou Enzo? Eu me ajeitaria, não queria te incomodar.
– Fica tranquila Lauren, fica tranquila.
Ela olhou pra o chão sorrindo timidamente, era tão linda. Já acordava graciosa.
– Esperei você acordar pra tomar café.
Tinha um bolo de chocolate na mesa, eu havia comprado na padaria logo cedo. Colocamos nosso café na xicara, comemos silenciosamente.
Terminamos, e ela falou: – Pode deixe que eu lave a louça e arrume tudo por aqui.
– Ok, eu não irei questionar. Falei brincando. Fui para o meu computador checar se havia algo.
– Hmm... Nada de interessante.
Chequei o servidor o qual eu administrava, mandei as informações para o chefe e pronto, serviço feito. Liguei na empresa pra saber se eles precisavam de algo. Eles nunca precisavam, eu só ligava pra mostrar que era um bom funcionário. Eu amava trabalhar em casa.
Sai em desparrada do computador em direção o banheiro para mijar, Lauren estava no banho com o box aberto. Eu fiquei envergonhado, tentando me explicar. Sai apertado e pedindo desculpas do lado de fora do banheiro. Eu vi muito, ela era realmente gostosa. Eu não consegui olhar a tatuagem, foquei minha atenção em outro lugar...
Ela saiu do banho enrolada na toalha eu entrei em disparada no banheiro, saiu um jato. Eu me senti até mais leve depois daquela mijada. Lavei as mãos e sai do banheiro ao encontro de Lauren, eu precisava me explicar. Ela me entendeu, fiquei sem graça e ela até deu risada de mim. Disse que eu ficava muito fofo quando estava perdido com minhas próprias palavras.
O inconveniente Lucas bateu na porta no dia seguinte, no mesmo horário do anterior, um pouco depois da gente tomar café antes dele sair para o trabalho. – Cadê a minha chave babaca? Ele grossamente falou.
Peguei a chave na mesa de centro da sala e entreguei na mão dele sem dizer nada, não queria arrumar encrenca com aquele troglodita.
Ele saiu de minha porta rapidamente, parecia estar atrasado.
Voltei para sala. Lauren estava assistindo qualquer coisa na TV, sentei na poltrona e comecei a olha-la ingenuamente.
– Enzo... Quando você entrou no banheiro... Você viu a tatuagem?
 – Não (preferi ser breve a dizer que estava olhando pros peitos dela).
Ela olhou pra TV e sorriu de um jeito que só ela sabia sorrir.
Eu perguntei se podia abraça-la, ela não respondeu só me mandou um sorriso. Acho que ela aguardava alguma atitude. Levantei-me de minha poltrona e fui até lá. Assistir TV abraçado com ela era o máximo que minha coragem alcançava e permitia. Mesmo assim era mágico.
Eu não prestava atenção na programação, e sim ficava de olhos fechados sentindo o cheiro dos cabelos dela. Do nada Lauren desligou a TV e viu meu rosto no reflexo, eu estava me deliciando de olhos fechados cheirando os lindos cabelos dela. Ela sorriu, eu percebi e fiquei vermelho de vergonha.
Ela se virou olhando para meu rosto, foi quando reparei que o roxo do olho dela havia sumido rápido. A pomada fez efeito em apenas dois dias. Ainda olhando no meu rosto ela falou: – Enzo, você é um fofo, e terminou me beijando no rosto.
Eu fiquei novamente com o rosto avermelhado, eu odiava isso. Era uma forma de entregar que estava gostando.
Comentei com ela: – Lauren, seu olho está melhor, você nem percebeu.
– Nossa essa pomada é boa mesmo!
Ficamos conversando por horas, eu adorava isso.
O dia passou, nem percebemos, olhei no relógio e já eram 23h43min, ficamos literalmente o dia todo falando sobre qualquer coisa ignorando as que realmente importavam. Não almoçamos nem nada.
– Nossa Lauren, já é tarde, muito tarde. Vou tomar banho.
– Eu vou em seguida.
Eu fui buscar uma toalha e ia já em direção ao banheiro.
– Enzo, eu não vou tomar banho em seguida de você.
– Ué Lauren, por quê?
– Por que eu vou tomar junto com você, posso?
Arregalei os olhos...
– Você tá brincando comigo?
– Não, é sério... Posso?
– Se você insiste...
Ela seguiu em frente se despindo.
Era uma obra de arte, a coisa mais linda de vi em minha vida.
Chegamos ao box do banheiro, ela entrou e ligou o chuveiro. Despi-me e entrei em seguida. Eu não conseguia me controlar, ela percebeu que eu estava ereto.
Mas que intenções têm uma mulher quando chama um cara pra tomar banho com ela?
Bem, foi a minha primeira e melhor transa. Foi intenso, ela disse que eu fui o cara que mais aguentei.
Tomamos banho, saímos do chuveiro, nos secamos e nos vestimos. (Eu estava tão preocupado em dar prazer pra ela que não reparei na tatuagem...).
– Enzo, você é o cara mais gentil e fofo que já conheci, ela declarou me beijando suavemente.
– Bem, você é linda. Tempo atrás fiquei reparando no elevador... E agora isso. Minha primeira transa, com a mulher dos meus sonhos.
– Primeira? Nossa você manda bem.
Trocamos sorrisos e fomos para o sofá, sentamos abraçados. Ela havia percebido que eu adorava aquilo. Eu perguntei se ela queria comer algo, olhei no relógio eram 02h27min da madrugada. O tempo voava ao lado dela.
Ela respondeu que sim, tirei o celular do bolso e pedi uns tacos, delivery 24h era uma coisa mágica, maravilho e genial.
Chegou à entrega, comemos e fomos dormir. Mas hoje ela foi pra minha cama, dormir comigo.