sexta-feira, outubro 29, 2010

Epicuro

Transformar tristezas em glórias,
Derrotas em vitórias,
Dar a volta por cima e pisotear sua cabeça,
Até que eu prove que cresci.
Você gritará pedindo por misericórdia,
Eu irei dar risada de sua cara,
Por que seu Deus não te salva dos chutes na boca?
Você falou tanta merda na minha orelha, e agora não sobra um dente.
Questionei o que você impôs e sem hesitar você me apedrejou,
Agora eu te pisoteio ouvindo gritos, e ninguém para te salvar!
Aquele por qual você clama não existe.
E você sem dentes ainda insiste!

sexta-feira, outubro 22, 2010

Odisséia sobre um final obscuro

Vou correr para o primeiro penhasco, você vai me pagar!
Você me fez ouvir o que eu não queria então vou te fazer chorar!
Se eu errei por que não conversar?
Você me magoou e não concertou, nem ao menos tentou,
Foda-se, agora eu vou pular!
Foi tudo em vão,
Suas palavras foram falsas, seus abraços vagos e seus beijos amargos.
Por que agora chora?
Você mesma não quis consertar, você me mandou embora e agora cai em prantos ao ver minha expressão de dor dentro dessa caixa de madeira.
Se sente culpada? Está arrependida? Eu não era um idiota?
Se quiser conversar venha,
Eu te espero no calor ofuscante do inferno para nos resolvermos, se pulei daquele penhasco foi por você,
Fui fraco e não queria te perder.

sexta-feira, outubro 15, 2010

Coisas dentro da cabeça

A escuridão chega despertando meus piores pesadelos,
Me deixa acuado a todos os sons e movimentos ao meu redor,
Como um transtornado vivo a olhar para os lados a procura de alguém me observando.
Você pode chamar isso de esquizofrenia, loucura ou idiotice, mas dentro da minha cabeça a seres me perseguindo e me botando medo,
Chame como quiser,
Mas a todo o momento há:
Medo dentro de minha cabeça
Medo dentro de minha cabeça.
Seres que me atormentam e não me deixam viver em paz,
Por favor, faça algo para que eu me segure, para que eu me esconda.
Faça algo para tentar fugir dos fantasmas despertos pela escuridão.


segunda-feira, outubro 11, 2010

Epifania mitológica; Prometeu voltou a tona

Quem dera eu,
Como Prometeu usar de minha inteligência para fazer acordos com os Deuses,
Um anel no dedo com uma lasca de pedra para ser livre.
Eu usaria mil anéis com mil lascas de pedra.
Tudo para livrar meu fígado dos corvos aqui na terra,
Para livrar meus olhos de novamente enxergarem a guerra,
Ser livre para sonhar,
Só preciso de um Deus para negociar em qual dedo o anel devo usar.

segunda-feira, outubro 04, 2010

Antidepressivo

Então é isso,
Cheguei à beira do abismo.
O abismo olhou pra mim e falou: “Você é um fracassado”
Olhe aonde vim parar...
Até abismos gozam de mim,
E desde então têm sido assim.
Até buracos e precipícios riem de mim,
Se negando a me deixar pular.