segunda-feira, setembro 27, 2010

Desordem e regresso

E quando acontecer a regressão,
Com paus e pedras nas mãos iremos te buscar.
Você então irá pensar: “Os garotos tentaram me avisar”,
Mas os sifões falaram mais alto,
Por sua culpa a terra foi coberta pelo asfalto,
Agora as flores aqui são feitas de plástico,
E nosso governo é feito por palhaços.
Você verá quando a desordem for estabelecida,
Seus homens e suas armas não serão páreos pra salvar sua vida.
Um exército de jovens insanos se formará,
Loucos por sua cabeça,
Loucos pra te mandarem pro inferno, junto com seu poder.

quinta-feira, setembro 23, 2010

O tsunami que você criou


Agora você se afoga com suas próprias lágrimas,
A solução no meu ponto de vista parecia ser mais simples,
Talvez uma conversa, quem sabe um passeio,
Mas todo o receio criou a distância. E que assim seja.
Tudo deu errado, e eu não queria que você chorasse.
Eu não queria, mas querer não é poder.
E hoje vejo você pedindo socorro, sendo levada pela correnteza salgada,
Correnteza feita por suas lágrimas,
Meu pedido caiu em ouvidos surdos, e agora sou jogado contra a parede.
Minha cabeça e suas mil voltas desordenadas,
Nada aqui é auto-explicativo,
Eu vou me matando sem perceber,
Assistindo você morrer sem te salvar, sem querer ao menos tentar.

sexta-feira, setembro 17, 2010

Entulho de coração

E por varias vezes pensei em por um fim,
Sonhei em desistir do final feliz.
O sonho virou realidade, evacuem a cidade. Haverá uma explosão!
O coração de pedra foi explodido por 1000 dinamites,
O botão que aciona a bomba foi apertado por seu dedo.
E agora pode demorar até que limpem a sujeira,
E agora pode demorar até que construam outro coração.
Se é que um dia reconstruirão...

terça-feira, setembro 14, 2010

O rabo do ser desprezível

Perdeu tempo julgando quem estava ao seu lado; 
Que se esqueceu de olhar o próprio rabo; 
Não percebeu o quão insignificante eram suas ações. 
Só sabe reclamar e dar sermões. 
Falar sem parar; 
Não ouvir, só questionar; 
Não procurar entender,
Contrariar o mundo mandando tudo se foder. 
Você sempre é o dono da razão 
Nunca parou para ouvir o que eu digo, 
A razão é sempre sua e você está convicto!
É esse conjunto de qualidades que o torna um ser desprezível!

segunda-feira, setembro 06, 2010

Apelo e gritos desordenados

Liberte-me,

Faça-me esquecer,

Tire isso de minha mente,

Deixe-me sonhar,

Ao menos tentar.

Onde é que tem?

Algo que mate o vazio,

Que destrua essas imagens distorcidas que causam a dor de cabeça,

Cérebro estúpido,

Por que insiste?

Pare de me mostrar o que eu já não quero ver.

Não mais,

Por favor, pare!

Isso me degrada,

Descobri que sou fraco, minha única arma são meus gritos,

Gritos que às vezes não saem,

As lágrimas?

Aqui nunca existiram,

Prefiro morrer de dor a derramar uma só gota.

Entre uma lágrima e um grito?

Contento-me em estourar a garganta.

sexta-feira, setembro 03, 2010

Esperando os destroços

Como um carro bomba pronto pra explodir!

Feito por revoltas

Transpirando ódio,

Gritando por libertação

Dominado pela insanidade

Sem alma nem coração

Sobrou somente um cérebro que gravou coisas horríveis,

Sobre um planeta que já morreu e de como o ser humano pode ser ruim.

Somente um cérebro que não permite seu dono viver em paz,

Somente um cérebro que não quer viver, não mais.